quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Quem somos nós!?

09 de janeiro de 2007, 20:53hs



Estou ouvindo algo como sempre. Desta vez é "A conversation in the train" do album "Green Glass" do ótimo Tim Story.
É impressionante como eu gosto do estilo de música que êle faz. É tão calma, suave e instigante. Me faz muito bem.
Sou privilegiado por poder ouvir estas obras de arte. Eu agradeço e aproveito.

Sim, eu aproveito e busco meu proveito nas minhas buscas e vivências nesta oportunidade que me foi dada. Sou muito feliz com o que sou e com o que posso ser.
Mas o que é que eu posso ser nesta vida? Qualquer coisa que eu quizer?
Vamos ficar apenas com o extremo positivo.
Posso ser desde um atleta olímpico até um grande violinista, passando por um grande cientista ou um grande estadista? Acredito que sim, mas desde que começasse desde bem pequeno a ser educado e criado (ou habituado!!) a se comportar como tal e a aprender tudo que fosse necessário.
Acho que temos essa capacidade, mas também acho que dependemos de outros que estão à nossa volta quando somos pequenos e incapazes de sobreviver sózinhos.
Dependemos de nossas famílias e nossos professores até uma certa idade, digamos 15 anos só para termos uma premissa. A partir daí, poderíamos seguir por nossa conta em nosso desenvolvimento como ser humano.
Para onde iríamos seguir em nosso desenvolvimento? No que estamos interessados? De que somos capazes? São tantas as possibilidades que podemos facilmente ficar indecisos.
E é isso que acontece com a maioria de nós. Não sabemos bem o que escolher, o que buscar, que acabamos indo numa direção média da maioria.
Poucos são aqueles que conseguem seguir um caminho diferente daquele ditado pelo senso comum: escola, mais escola, faculdade, emprego, família, filhos, mais trabalho, ..., fim do trabalho, fim..., ou recomeço.

Não que seja um caminho errado, mas não é tão consciente assim, não é!? Mesmo assim, alguns de nós consegue "dar certo", ser "feliz", "ser bem sucedido", mesmo seguindo o caminho médio, tradicional, meio às cegas.

Por outro lado, é tão difícil de seguir um caminho diferente desse que é até difícil de pensar em alternativas.
Talvez alguns artistas, os religiosos verdadeiros e alguns desajustados, marginais da sociedade tenham tentado percorrer caminhos alternativos.
O que eles teriam em comum? Idealismo, força de vontade, forte motivação, visão clara do objetivo, vocação, forte crença em seus sentimentos, sua intuição?
São aspectos humanos que reconhecemos e já tomamos contacto em maior ou menor gráu, mas que não os usamos na plenitude que poderíamos.
Essas poucas pessoas acreditam num ideal (como se diz de maneira simplificada) e o buscam com uma persistência, força de vontade e uma
forte consciência de seu caminho a seguir.
De onde vem isso, meu Deus. Se eles têm, todos temos!
Por que para eles é tão claro, ou tão motivante? Parece que eles estão mais focados nos seus atos, no seu ser. Têm mais consciência de si mesmos, de suas características físicas, psicológicas, suas emoções, seus sentimentos, seus mêdos e desejos.
Parecem estar mais acordados na vida. Estão vendo melhor os caminhos a serem seguidos, as oportunidades que surgem no seu ambiente externo e interno.
Escutam melhor a si mesmos e aos outros. Conhecem-se melhor.
Mas por quê eles e não eu?!? Não sejamos trágicos, sejamos otimistas, positivos e, eventualmente práticos.
Se essa clareza de visão está ao seu alcance, então também está ao nosso, pois somos feitos no mesmo molde e do mesmo material.
Podemos não te-la de imediato, termos mais dificuldades, mas a possibilidade está lá para ser alcançada. Podemos fazê-lo, basta querer e dar os primeiros passos na direção.
Na direção do auto-conhecimento, da busca de nós mesmos. Colocar cada vez mais o foco de nossa consciência em nossos atos externos e em nosso mundo interno.
Buscar nossas raízes, nosso centro, nossa essência.
E isso é muito prazeiroso, muito gostoso, muito gratificante.
Aprendemos sobre nós mesmos com nossas experiências, nossos relacionamentos, nossos atos em geral.
Sempre que nos colocamos por inteiro, com honestidade e autenticidade numa situação estamos nos conhecendo melhor.
Basta sermos e acreditarmos no caminho. O primeiro passo é sempre o mais difícil.
Mas eu consigo, nem que demore algumas vidas.



Beijos fra-e-ternos,

2 comentários:

Eneida disse...

Pedro.

Fazendo a leitura desse texto pude perceber o seu caminho e devagarzinho você está encontrando o fio da sua meada. É maravilhoso vê-lo amadurecer ao meu lado.

Muita Luz para você e que dela provenha sempre a Paz Profunda.

Beijos .
Eneida

urano10 disse...

Obrigado Eneida por voce estar comigo nesta caminhada.
Talvez já tenhamos estado juntos outras vezes, não é mesmo!?

beijos luminosos,